Grupo de Ecofisiologia e Evolução Molecular do Inpa é destaque em Congresso Internacional de Peixes

Por Ana Luisa Hernandes

 

Reconhecida como a maior e mais antiga sociedade profissional para cientistas da área de recursos pesqueiros, e composta por membros do mundo todo, a American Fisheries Society (AFS) promove a cada dois anos, desde 1994, o Congresso Internacional de Biologia de Peixes. Dentre os principais temas relacionados aos peixes discutidos no evento estão aquicultura, nutrição, estresse ambiental, toxicologia, reprodução, fisiologia, genômica e outros.

 

Este ano, a cidade de Edimburgo, na Escócia, foi a escolhida para sediar a 11ª edição do congresso, ocorrido de 3 a 7 de agosto na Universidade de Heriot-Watt. Os líderes do Laboratório de Ecofisiologia e Evolução Molecular (LEEM), localizado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), em Manaus-AM, Adalberto Val e Vera Val, e alunos da instituição estiveram presentes no evento.

 

Adalberto Val foi responsável por moderar dois simpósios durante o congresso. O primeiro, intitulado “Peixes tropicais – uma mina de ouro biológica”, contou com a participação das pesquisadoras Vera Val e Renata Moreira, da Universidade de São Paulo (USP). O segundo, “Mudanças climáticas e expansão de zonas mortas: dos trópicos aos pólos, como os peixes irão se adaptar?”, também foi mediado pelo pesquisador norte-americano Jay Nelson, da Universidade de Towson, em Maryland.

 

Os líderes do LEEM ministraram ainda três palestras nos simpósios. Adalberto Val apresentou os temas “Transferência de oxigênio no peixe amazônico Prochilodus nigricans” e “Temperatura e pH afetam a afinidade de oxigênio no sangue de determinadas espécies de peixes da Amazônia”, e Vera Val o estudo “Modulação dos genes de LDH e sobrevivência das espécies de peixes amazônicos expostos a cenários futuros de mudanças climáticas”.

 

Motivados pela troca de informações e em busca de novos conhecimentos, cinco alunos do grupo de Ecofisiologia e Evolução Molecular, de Manaus-AM, contribuíram de maneira significativa para o evento com duas comunicações orais (Helen Sadauskas Henrique e Rafael Mendonça Duarte) e quatro pôsteres (Carlos Henrique dos Anjos dos Santos, Carolina Sousa de Sá Leitão, Ramon Barros Baptista e Rafael Mendonça Duarte).

 

Primeira brasileira na Legião de Honra

 

Durante a reunião, a pesquisadora Vera Maria Fonseca de Almeida-Val, líder do LEEM, tornou-se a primeira brasileira a ser admitida na Legião de Honra do Congresso Internacional de Biologia de Peixes, criada em 2000. Além dela, as pesquisadoras canadenses Patricia Wright e Suzie Currie foram condecoradas.

 

“Acredito que este é um grupo seleto que vem contribuindo para a organização e continuidade do congresso desde a sua criação. Esse evento torna-se cada vez mais importante por ser um ponto de encontro e discussão dos avanços nas pesquisas com peixes de ecossistemas aquáticos de todo o planeta”, destacou.