16. Seminário dos INCTs termina com detalhamento de edital e balanço dos dirigentes

Participaram do encerramento o presidente do CNPq e o secretário executivo do MCTI

 

 

A etapa de apresentação e exposição de resultados obtidos pelos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) na fase inicial do programa foi encerrada nesta quarta-feira (3), no II Seminário de Acompanhamento e Avaliação. No total, participaram do seminário 607 inscritos, 33 observadores nacionais e internacionais, além dos dirigentes, organização e equipe de apoio.

 

O presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva, e o secretário Executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Sexec/MCTI) e coordenador do comitê, Luiz Antonio Rodrigues Elias, foram os responsáveis pelo encerramento.

 

Reunidos com os coordenadores dos INCTs, Glaucius estabeleceu uma previsão inicial para a composição do edital de renovação e formação dos novos institutos. “Neste evento tivemos a excelente notícia de que o programa, considerado estruturante e central nos planos do ministério, será renovado. Pretendemos lançar o edital entre outubro e novembro de 2013. A etapa de seleção das propostas deve ocorrer em janeiro e a avaliação dos projetos entre fevereiro e setembro de 2014″, estimou.

 

O presidente esclareceu que os INCTs já consolidados, com duração inicial de cinco anos, não serão prejudicados nesta nova seleção, mesmo que ainda haja financiamentos pendentes nesta edição.

 

“Por conta dos diferentes prazos de término desta primeira experiência devido ao período distinto de composição de grupos de INCTs, recomendo que aqueles que se enquadrem nesta prerrogativa peçam a prorrogação da vigência dos projetos, no prazo máximo de até 12 meses, já que ainda possuem financiamentos a serem liberados, para que não ocorram aplicações indiscriminadas e apressadas comprometendo a qualidade das pesquisas e iniciativas”.

 

Ainda sobre o edital, Glaucius informou que caso haja renovações, as vigências dos projetos serão conciliadas. “Não haverá impedimento dos INCTs vigentes efetuarem a inscrição no novo edital. As vigências serão casadas, sendo assim, se contemplado, o INCT terá início apenas quando for encerrado o primeiro vínculo.”

 

Questionado por um dos coordenadores presentes, o presidente relatou que as Fundações de Amparo à Pesquisa estaduais, integrantes do grupo de financiadores do Programa INCTs, já manifestaram interesse em continuar envolvidos com a iniciativa. “As FAP´s estão alinhadas com o novo edital. Já tivemos essa sinalização durante a última reunião do Comitê de Coordenação”, disse. “A manifestação ocorreu não só das FAP´s que já integram o programa e que pretendem continuar apoiando, mas também de outras que querem compor o grupo”.

 

O secretário Luiz Elias manifestou interesse no aperfeiçoamento do programa e citou pilares considerados fundamentais para a ciência e tecnologia brasileiras. “Queremos avaliar e aprimorar os processos de composição dos INCT´s, para suprir as lacunas da edição inicial do programa”, disse. “A inovação, para sair da economia estática para a dinâmica, e a ampliação dos laboratórios, para aumentar a capacidade da ciência e tecnologia nacional, são considerados pilares imprescindíveis no avanço desse programa estratégico, desenvolvimento da economia e modernização da sociedade”.

 

Por último, Elias ainda pontuou que na próxima etapa, será necessário aperfeiçoar a divulgação dos resultados para a sociedade. “Temos que dar uma dimensão maior da disseminação dos INCT´s na próxima avaliação, para medir o tamanho alcançado pelo programa e para ressaltar os resultados positivos junto à sociedade”.

 

SBPC – Outra informação direcionada a coordenadores foi inserida no encerramento do seminário, mas desta vez, relacionada à reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que terá início no próximo dia 21. “O MCTI reservou um espaço para 10 INCTs. Esses poderão apresentar novamente seus resultados durante o evento que será realizado neste ano em Recife [Pernambuco]“, esclareceu Glaucius.

 

“Só que esta apresentação deve ser diferente, por conta das características do evento e local onde é organizado. Por isso, os estandes devem ser atraentes, principalmente, para os jovens, normalmente, em grande número nesses eventos”, finalizou.

 

(Assessoria de Comunicação do CNPq)