O Projeto ADAPTA e as redes sociais

Está sendo inaugurado hoje o novo site do Projeto ADAPTA, que pretende divulgar as mais variadas informações relacionadas ao projeto e aos grupos multidisciplinares envolvidos. O site irá ainda, como forma de maximizar sua aplicação, disponibilizar links diretos para os sites de grupos parceiros do projeto que já possuam páginas disponíveis na internet como, por exemplo,  o site do grupo Ecologia, Monitoramento e Uso Sustentável de Áreas Alagáveis (MAUA) do INPA (maua.inpa.gov.br), do site sobre redação científica do Prof. Dr. Gilson Volpato (http://www.gilsonvolpato.com.br), o blog do Laboratório de Ecofisiologia e Evolução Molecular (http://blog.leem.inpa.gov.br/) e o site do laboratório de fisiologia de peixes e invertebrados do Dr. Chris Wood, da Universidade McMaster no Canadá (www.biology.mcmaster.ca/wood). O avanço das tecnologias ligadas á informática ao longo desta década vêm causando um aumento explosivo na utilização das chamadas “redes sociais” na internet, que, junto a seus aplicativos, possibilitam formas antes inimagináveis de comunicação e relacionamento entre seus usuários, que hoje compreendem todo e qualquer tipo de pessoa física, instituição, entidades e filosofias. Estas redes se associam ainda a sites, blogs, fotologs, etc,aumentando ainda mais o leque de possibilidades entre estes. Esta tecnologia chegou aos grupos de pesquisa científica em todo mundo e vêm servindo como importante ferramenta de intercâmbio de informações. Uma das maiores exigências feitas à comunidade científica é a divulgação de seus feitos e descobertas de maneira ampla e eficiente, com uma linguagem clara e que atenda não só a própria comunidade científica, mas demais segmentos da sociedade. Sendo assim, muitos laboratórios estão lançando mão de sites e redes sociais que se prestam a promover suas atividades, divulgar suas linhas de pesquisa e trabalhos produzidos a partir destas, conectar alunos e instituições com interesses similares e promover interação direta entre elas, aproximando assim grupos que antes se comunicavam apenas por meio de trabalhos em revistas de publicação impressa e circulação extremamente limitada, comparando-se ao poder de difusão que a informação digital tem hoje. Conectados pela rede,cabe agora aos usuários explorarem as potencialidades do mundo digital e a contribuição para uma melhor circulação das informações

Por Ramon Baptista