Hillandia da Cunha e Domitila Pascoaloto apresentam ao público “Hidroquímica dos Rios da Amazônia”

O objetivo das autoras é fazer a publicação se transformar em uma ferramenta que ajude os estudantes a compreender melhor as características do Estado. “É um livro voltado especificamente para os estudantes do ensino médio, para que eles possam fazer seus trabalhos escolares com informações precisas da nossa região, pois o livro não é científico, ele tem uma abordagem técnica bem clara e de fácil entendimento. Esperamos que esta iniciativa auxilie um grande número de pessoas, seja em trabalhos escolares, jornalísticos ou outros, e que ao ler todos possam conhecer melhor uma das maravilhas da natureza, que poderá valer mais do que minas de ouro ou barris de petróleo em poucas décadas: o Amazonas, o maior rio do mundo”, afirmou Hillândia, pesquisadora do ADAPTA.

Financiando pela Secretaria de Cultura do Estado do Amazonas, através de uma demanda do Secretário Robério Braga, o livro aborda diversos temas e reuni informações sobre o maior rio do mundo, tanto no aspecto físico como hidroquímicos de suas águas. A fim de facilitar a compreensão do texto, o trabalho foi dividido em vários temas. Em “A ORIGEM DO GRANDE RIO” encontramos a história de como este rio se originou a partir de uma depressão decorrente de um afundamento brusco do terreno geológico, criando uma calha que passou, então, a drenar a área, formando assim o rio Amazonas. Em “A NASCENTE DO RIO SOLIMÕES-AMAZONAS” é abordado sobre o local exato onde o rio Amazonas nasce e seu real comprimento até ele desembocar no Oceano Atlântico. Em “O HOMEM E O RIO NA AMAZÔNIA: UMA VISÃO GEOGRÁFICA DO RIO” encontra-se a relação do homem “ribeirinho” com o rio. Em “A PAISAGEM AMAZÔNICA E SEUS HABITATS” são descritas as três principais estruturas geológicas da região Amazônica e como estas influenciam fundamentalmente na formação dos ambientes aquáticos e na produção biológica de todo o ecossistema amazônico. Em “A TIPOLOGIA DAS ÁGUAS AMAZÔNICAS” é feita uma breve revisão sobre os primeiros relatos das águas na Amazônia, contendo informações sobre as primeiras expedições realizadas nos séculos XV a XIX. Em seguida são descritos os sistemas de classificação das águas existentes na Amazônia feita por Sioli, Fittkau e Stallard e Edmond. Em “PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUAS” são abordadas questões sobre a importância de se estudar a qualidade das águas e quais os principais parâmetros para avaliar a qualidade das águas. Em “CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E ASPECTOS HIDROQUÍMICOS DE RIOS – AFLUENTES DO AMAZONAS” São reunidas informações dos seguintes rios: Napo, Javari, Içá, Jutaí, Japurá, Juruá, Tefé, Urucu, Coari, Purus, Madeira, Manacapuru, Negro, Preto da Eva, Urubu, Maués-Açu, Uatumã, Nhamundá, Trombetas, Tapajós, Curuá-Una, Peru, Jari e Xingu. Em “O FENÔMENO DOS ENCONTROS DAS ÁGUAS NA AMAZÔNIA” são abordados vários “encontros das águas” que ocorrem na Amazônia e a explicação para tais fenômenos.

Pronex da UFFS promoverá curso de Biologia Evolutiva do Desenvolvimento

Evolutionary Developmental Biology (Evo-Devo)

A short course at the Federal University of Bahia

(Biologia Evolutiva do Desenvolvimento/Evo-Devo – Um curso de curta duração na Universidade Federal da Bahia)

 

Stuart A. Newman, Ph.D.

New York Medical College

 

Organização: Charbel Niño El-Hani, Ph.D.

Promoção: Projeto “Integrando Níveis de Organização em Modelos Ecológicos Preditivos: Aportes da Epistemologia, Modelagem e Estudos Empíricos” (INOMEP/PRONEX).

Professores assistentes: Charbel Niño El-Hani, Ph.D. (Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia); Emilio de Lanna Neto (Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia), Ms. C.; José Wellington Alves dos Santos (Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia), Ph.D.; Ana Maria Rocha de Almeida (Universidade da Califórnia, Berkeley), Ms. C.

 

Estrutura do curso

O curso terá um total de 20 horas. Destas 20 horas, 10 horas consistirão de aulas proferidas por Prof. Stuart Newman em língua inglesa e 10 horas corresponderão a sessões de discussão de artigos selecionados. Os artigos serão em língua inglesa, mas a discussão será conduzida em língua portuguesa pelos professores assistentes, em grupos de 20 alunos.

 

Somente serão emitidos certificados para participantes com mais de 80% de presença.

 

Número de vagas: 80

 

Local: Instituto de Biologia, Campus de Ondina, Universidade Federal da Bahia.

 

Data: 12 a 16/11/2012

 

Turno das aulas: Matutino.

 

Procedimento de inscrição: Enviar email para charbel.elhani@gmail.com manifestando seu interesse pelo curso. Enviar currículo (formato Lattes CNPQ) e carta de justificativa do interesse pelo curso.

 

Data de divulgação do resultado da seleção dos estudantes: 05/09/2012

 

Programa provisório

Dia 1 (Segunda, 12 de Novembro)

 

Vida multicelular: animais, plantas, fungos, amebozoários. Quando eles surgiram; exemplos modernos; similaridades e diferenças anatômicas e genéticas. Exemplos de processos e mecanismos desenvolvimentais característicos de cada grupo. Uniformitarismo vs. não-uniformitarismo na teoria evolutiva; desafios conceituais da Evo-Devo à Síntese Moderna.

 

Dia 2 (Terça, 13 de Novembro)

 

Mecanismos físicos de morfogênese e formação de padrões em sistemas animais (e em alguns sistemas vegetais): liquidez (liquidity) de tecido; adesão diferencial e separação de fase; oscilação e sincronização de estado bioquímico; multi-estabilidade do estado diferenciado; conseqüências moleculares da polaridade celular; morfógenos; inibição lateral; padronização de reação-difusão (reaction-diffusion patterning); filotaxia; mecanismos celulares de padronização autônoma; mecanismos envolvendo sinalização célula a célula e mecanismos independentes de sinalização; mecanismos compostos: morfoestáticos vs. morfodinâmicos.

 

Dia 3 (Quarta, 14 de Novembro)

 

Módulos de padronização dinâmica (DPMs): a física encontra a genética no estado multicelular. O genoma do coanoflagelado Monosiga brevicollis; mobilização de adesão e adesão diferencial por caderinas e de inibição lateral por Notch-Delta, conseqüências multicelulares de polaridade apico-basal e planar mediada por Wnt; oscilações e sincronia baseadas em Hes1; difusão e quebra controlada na formação dos gradientes dos morfógenos Hedgehog, BMP e FGF; actomiosina e excitabilidade mecânica dos epitélios; formação de redes e matrizes extracelulares colagenosas. Plasticidade inerente dos resultados de padronização DPM. Papel geral dos DPMs na origem dos planos corporais de animais e plantas.

 

Dia 4 (Quinta, 15 de Novembro)

 

Interação dos DPMs na formação do plano corporal animal e dos motivos de órgãos: dinâmica do modelo do relógio e da onda frontal (clock and wavefront) na somitogênese; papel do oscilador Notch-Hes1; sincronização; FGF, Wnt e plasticidade da somitogênese: o caso da segmentação aumentada na serpente; interação do ambiente uterino com o relógio somítico levando a número alterado de segmentos ou defeitos axiais; dinâmica ativadora-inibidora no desenvolvimento do membro de vertebrados; papéis de TGF-b e fibronectina; plasticidade do desenvolvimento dos membros: efeito de mutações, transplantes de tecidos, teratógenos; cenários para a produção de membros fósseis. Introdução às galectinas; um novo DPM baseado em rede de galectinas no membro em desenvolvimento.

 

Dia 5 (Sexta, 16 de Novembro)

 

A “ampulheta embrionária”: diferentes trajetórias embrionárias para o mesmo ponto médio morfológico. Insetos de banda germinativa longa vs. insetos de banda germinativa curta; exemplos do desenvolvimento de nematódeos; a relação da padronização celular autônoma no ovo com a função dos DPMs no estágio morfogenético do desenvolvimento; papel das propriedades variacionais dos mecanismos de padronização pós-estágio morfogenético. Plasticidade desenvolvimental na inovação evolutiva; origens de aves a partir de dinossauros em conseqüência de perda de genes: a hipótese do músculo esquelético termogênico.